musicaefantasia

Musica e fantasia: curtas as sugestões de discos, filmes e livros.

Categoria: Música erudita

Ave Maria de Schubert, com Andrea Boccelli

A Ave Maria de Schubert na verdade não é uma criação de Schubert. A composição original de fato era oração à Nossa Senhora, mas a conhecida Ave Maria é uma adaptação da oração em latim à melodia de Schubert.

Fidelio, de Beethoven, regida por Nikolaus Harnoncourt

Normalmente não se enfatiza que Beethoven retratou as transformações sociais e políticas da queda do feudalismo e ascensão do capitalismo. Fidelio mostra a perda de poder feudal do governador de uma prisão, versus um ministro, representante do estado centralizado.

Suíte para violoncelo BWV 1007 de Bach, com Pablo Casals

O intérprete é parceiro do compositor, pois escolhe como transformar suas ideias em sons musicais. Pablo Casals foi mais do que isso no caso das suítes para violoncelo, pois as salvou do injusto esquecimento em que estiveram até 1936.

Concerto para violão em Ré maior, de Vivaldi

Não por acaso Antonio Vivaldi era padre: suas músicas têm um valor espiritual muito grande. Por exemplo, em seu Concerto para violão em ré maior, há uma voz que nos entende e nos conforta, igual a um padre confessor.

Cavalgada das valquírias, de Wagner, regida por Daniel Barenboim

Durante a visita do Papa, disseram que já era um milagre que ele, argentino, fosse tão querido. O que diriam então de Daniel Barenboim, israelense nascido na Argentina, que é muito querido em todo mundo, até mesmo na Palestina?

Gurrelieder, de Schoenberg, regida por Claudio Abbado

São falsas as notícias do falecimento de Claudio Abbado. Está vivo, não apenas por suas gravações. Mas também porque exalava algo de eterno na gentileza com que tratava músicos e na amplitude de seu gosto musical, que incluía contemporâneos.

cidade city cité, com Augusto de Campos

cidade city cité é talvez o poema longo mais curto sobre a cidade de São Paulo, segundo Augusto de Campo, poeta de campos e espaços. O mestre homenageia sua cidade em três idiomas, com palavras que descrevem sua univoracidade.

O mito de Don Juan

O mito de Don Juan

Há leituras profundas, mas a psicologia de botequim lê rasteiramente o mito de Don Juan: ele seria a id dos impulsos; seu escudeiro, o ego que os intermedia com a sociedade; e seu pai o superego dos controles éticos.

Oratório de Natal, de JS Bach

Nas descrições dos oratórios de Bach, há informações sobre a cultura judaica (a cultura de Jesus, afinal) que o brasileiro médio não tem: por exemplo, que Jesus foi circuncidado. Estranho, pois este é o tempo das informações. Feliz Natal.

Chaconne de Bach, por Andrés Segovia

Não é exagero dizer que Andrés Segovia está para o violão clássico assim como Jimi Hendrix para a guitarra elétrica do rock: autodidatas, ambos redefiniram como tocar seus respectivos instrumentos. E até hoje suas técnicas são marcantes e matadoras.