musicaefantasia

Musica e fantasia: curtas as sugestões de discos, filmes e livros.

Categoria: literatura

Ficções, de Jorge Luis Borges

Ficções, de Jorge Luis Borges

Em 1944, Borges publicou o pequeno livro chamado Ficções, ainda hoje muito atual. Citando livros existentes ou inventados, seus contos fazem pensar na batalha das ideias, que pode ser tão interessante quanto uma batalha com espadas na Idade Média.

O método de criação do grande contista Dalton Trevisan

O método de criação do grande contista Dalton Trevisan

Dalton Trevisan cria sobre estória comovente anotada no calor da hora. Depois, digita-a. E alterna o trabalho sobre ela entre períodos de geladeira e reescrita, para minimizar o envolvimento pessoal com a estória e maximizar seu interesse para todos.

Pessoal intransferível, de Torquato Neto

Pessoal intransferível, de Torquato Neto

A melhor crítica (ou teoria) de poesia é feita por aquele que escreve poesia (Pound). Todo poeta teoriza sobre seu trabalho quando o comenta. Para Torquato Neto, isto significava a autenticidade obtida pela renovação, em conflito com o estabelecido.

A Conney Island of the mind, de Laurence Ferlinghetti

A Conney Island of the mind, de Laurence Ferlinghetti

O poeta atual, sem retórica, sem rima e mesmo sem ritmo, vive uma viagem solitária, no universo de sua própria alma. Um puro devaneio lírico só pode ser interessante para o leitor se o próprio poeta for pessoa interessante.

O que é arte datada ?

O que é arte datada ?

A apreciação da arte não é objetiva. Há autores que expressam os sentimentos da sociedadede de uma certa época. Passado este contexto, sua arte pode perder o valor, se não tiver mais o que dizer para sociedades de outras épocas.

Prosa poética

Prosa poética

O modernismo matou a métrica e suas leis do verso. Depois, nós, os pós-modernos, matamos o ritmo, sua música. O que há hoje é prosa poética, textos sem ritmo, apenas com imagens visuais (fanopeia) ou imagens verbais, ou logopeia.

Novelas exemplares, de Miguel de Cervantes

Novelas exemplares, de Miguel de Cervantes

A experiência que Borges relata, de um contemporâneo escrevendo o Quixote, seria ainda mais surpreendente se alguém hoje escrevesse as Novelas exemplares, onde Cervantes mostra o que considera boas atitudes morais: seria chamado de muito preconceituoso e politicamente incorreto.

cidade city cité, com Augusto de Campos

cidade city cité é talvez o poema longo mais curto sobre a cidade de São Paulo, segundo Augusto de Campo, poeta de campos e espaços. O mestre homenageia sua cidade em três idiomas, com palavras que descrevem sua univoracidade.

Mar português, de Fernando Pessoa

Mar português,  de Fernando Pessoa

Fernando Pessoa era tímido. Portanto, seus heterônimos escreviam poesias mais intensas que as suas, normalmente cerebrais. Contudo, em Mensagem, é intensa a nostalgia da perda do império português. Uma das poesias mais conhecidas fala do mar como experiência espiritual.

Heterônimo, segundo Fernando Pessoa

Heterônimo, segundo Fernando Pessoa

Heterônimo foi a palavra que Fernando Pessoa criou para indicar uma persona literária, um autor, diferente daquela de quem escreve. Podemos entender como um processo teatral, ou até como algo mediúnico, apesar de não haver necesariamente outros espíritos envolvidos.