Num barraco precário, sem glória e sem salário

por musicaefantasia

Num barraco precário,/ sem glória e sem salário,/ o estilista acha abrigo,/ contra o mundo inimigo. Parceria oblíqua entre poetas e violeiros, passando pelo samba: Ezra Pound escreveu, Augusto de Campos traduziu (lembrando de Orestes Barbosa) e
Passoca musicou.

Anúncios